Rtp âž± 1m atrĂĄs âž± Abrir

EstĂĄ consumado o divĂłrcio entre o Partido Popular Europeu, o maior grupo polĂ­tico do Parlamento Europeu, e o partido Fidesz, liderado pelo primeiro-ministro da HĂșngria, Viktor OrbĂĄn.


A demissĂŁo dos 11 deputados do partido hĂșngaro foi feita por carta, dirigida ao lĂ­der do grupo parlamentar, depois de uma maioria de dois terços dos eurodeputados do PPE ter decidido esta manhĂŁ suspender os membros do Fidesz.

Este Ă© o resultado de um longo conflito interno na principal famĂ­lia polĂ­tica europeia, por causa das inĂșmeras quebras no respeito pelas regras do Estado de Direito na Hungria.

O Partido Popular Europeu (PPE), a maior famĂ­lia polĂ­tica europeia, adotou hoje um novo regulamento interno que permite a suspensĂŁo de delegaçÔes inteiras, o que teve como efeito imediato a saĂ­da do Fidesz, o partido do primeiro-ministro hĂșngaro, Viktor Orban.

Na reuniĂŁo desta quarta-feira, o grupo do PPE -- que integra o PSD e o CDS-PP -- aprovou por maioria qualificada as novas regras internas, "de forma a adaptĂĄ-las ao atual funcionamento do Grupo, nomeadamente para permitir um bom funcionamento Ă  distĂąncia".

As regras especificam novos procedimentos relativos às condiçÔes para as suspensÔes e exclusÔes, que passam a abranger delegaçÔes inteiras e não apenas deputados.

Ainda a reuniĂŁo do grupo parlamentar decorria, quando o lĂ­der parlamentar, Manfred Weber, anunciou que, na sequĂȘncia da adoção do novo regulamento interno, o primeiro-ministro hĂșngaro lhe comunicou a saĂ­da do Fidesz do PPE.

Na missiva dirigida a Weber, Orbån considera que as alteraçÔes ao regulamento interno do PPE constituem "claramente uma jogada hostil contra o Fidesz", que deixa assim o grupo com efeitos imediatos.


We will not let our MEPs be silenced or limited in their capacity to represent our voters. Tackling the pandemic and saving lives remains our number one priority. Therefore, following the adoption of new rules in the @EPPGroup, #Fidesz has decided to leave the Group. pic.twitter.com/WSx1PmtKQ8

— Katalin Novák (@KatalinNovakMP) March 3, 2021

A vice-presidente do partido colocou a carta na rede social Twitter. Katalin Nov®kk assegura que o Fidesz não permitirá que os seus deputados “sejam silenciados ou limitados na sua capacidade de representar os eleitores” e aponta as novas regras decididas pelo PPE como a razão da saída.

“Os nossos deputados vĂŁo continuar a falar em nome dos que representa, os seus eleitores, defendendo os interesses do povo hĂșngaro”, assegura OrbĂĄn, na missiva.

O mal-estar entre o Fidesz e o grupo parlamentar prendia-se com posiçÔes assumidas pelo partido, consideradas antieuropeias e medidas, ao nível governamental, julgadas atentatórias aos direitos fundamentais, o que levava muitos membros do PPE a reclamarem a sua exclusão.

A União Europeia criticou Orbån por colocar tribunais, media, académicos e organizaçÔes não governamentais sob controle governamental mais rígido. Orbån negou as críticas, sem mudar de rumo.

"Congratulo-me com a saída hå muito esperada de Fidesz e Viktor Orbån da política europeia dominante", disse Dacian Ciolos, chefe do grupo liberal no Parlamento Europeu. "Não hå espaço para o populismo tóxico do Fidesz na corrente política europeia."