Rtp ‚łĪ 1m atr√°s ‚łĪ Abrir

Pelo menos 10 pessoas foram hoje detidas pela pol√≠cia catal√£ durante os dist√ļrbios que se seguiram a mais uma manifesta√ß√£o em Barcelona a reclamar a liberta√ß√£o do `rapper` catal√£o Pablo Has√©l.


Uma das pessoas foi detida, na Praça Catalunha, por agressão a um agente da autoridade, indicaram os Mossos d`Esquadra (Polícia da Catalunha).

As restantes foram detidas por delitos de desordem p√ļblica, lan√ßamento de artefactos incendi√°rios contra pol√≠cias e ateamento de fogo a uma carrinha da pol√≠cia municipal de Barcelona, que estimou em 4.000 pessoas o n√ļmero de manifestantes.

A manifestação decorreu, em grande parte, de forma pacífica, mas, no final, pequenos grupos violentos dispersaram-se por diferentes zonas do centro da cidade, causando novamente incidentes.

A esquadra da Guardia Urbana (polícia municipal) de Barcelona foi atingida por objetos, várias dependências bancárias foram apedrejadas, um hotel e um concessionário de automóveis regados com líquidos inflamáveis e diversas lojas saqueadas.

Contentores do lixo foram usados para formar barricadas, com alguns deles a serem queimados.

Os dist√ļrbios estenderem-se a outras cidades catal√£s, como Sabadell, onde foram erguidas barricadas, Tarragona, onde uma ag√™ncia banc√°ria foi apedrejada e o `campus` universit√°rio vandalizado, e L√©rida, onde uma patrulha da pol√≠cia municipal foi tamb√©m apedrejada e diversas lojas foram vandalizadas.

O presidente do Governo espanhol, Pedro Sánchez, classificou, nas redes sociais, "os atos de vandalismo e violência" como "inaceitáveis".

No mesmo sentido, o presidente da Generalitat (Governo) da Catalunha em exercício, Pere Aragonès, afirmou, também nas redes sociais, que tais atos "não são liberdade de expressão nem de manifestação".

Pablo Has√©l est√° preso por inj√ļrias √† monarquia espanhola e por glorifica√ß√£o do terrorismo. O m√ļsico, que foi detido em 16 de fevereiro na reitoria da Universidade de L√©rida, onde se trancara, foi condenado a nove meses de pris√£o.

O cantor considera que é vítima de um "ataque muito grave" à liberdade de expressão.

Barcelona e outras cidades catal√£s t√™m sido palco de v√°rias manifesta√ß√Ķes a pedir a liberta√ß√£o do `rapper` e que acabam em viol√™ncia.