Sapo 24 ⸱ 1m atrás ⸱ Abrir

Como se faz uma vacina ou um medicamento? Esta é a pergunta de muitos em tempos atípicos de pandemia. A Pfizer respondeu e a reforçou a necessidade de confiar na ciência.


Numa altura em que se atravessa uma pandemia e a vacinação parece ser a única solução para que o mundo volte ao normal, não é estranho perceber porque é que há quem esteja interessado em saber como é que se faz uma vacina. Este foi o mote para a primeira sessão do projeto Workshops Pfizer Curious, promovido pela farmacêutica em direto no  direto no Facebook da Pfizer Portugal.

O primeiro workshop decorreu esta terça-feira, pelas 18h30, e contou com os esclarecimentos das especialistas da Pfizer Susana Castro Marques e Joana Guimarães. Os primeiros 15 minutos foram dedicados à explicar como se fazem as vacinas, sendo o restante tempo da sessão reservado às questões de quem não é especialista, mas, ainda assim, tem interesse em perceber como funciona o mundo dos medicamentos

A especialista explica que "já havia muito conhecimento sobre o SARS-CoV-2", logo "a investigação não partiu do zero". O facto de toda a comunidade científica unir esforços nesta tarefa e de ter havido "uma grande partilha" de informação também acelerou o processo. Deste modo, os ensaios clínicos puderam ser feitos de forma mais rápida, à medida que se foram obtendo os primeiros resultados. Assim, "as empresas começaram a produzir em larga escala, ainda antes de ter autorização de comercialização".

A cientista da Pfizer deixa a mensagem, contudo, de que "nenhum requisito foi deixado de lado". E refere que espera que a "aprendizagem" com o desenvolvimento da vacina contra a covid-19 tenha feito com que, "no futuro, possamos ter acesso a inovação de forma mais célere e que não tenhamos de esperar 15 ou mais anos para trazer medicamentos inovadores a doentes que necessitam de novos tratamentos".

É neste contexto que a especialista alerta para a importância de confiar na ciência e na qualidade dos medicamentos desenvolvidos. Joana Guimarães compara ainda a toma da vacina ao ato de andar de avião. "Eu tenho um medo terrível de andar de avião", confessa. "Mas, como gosto de conhecer novos sítios, viajar de avião é essencial. E para isso eu tenho de confiar nos pilotos", remata.

Saúde ⸱ Ciência ⸱ Infarmed ⸱ Vacina ⸱ Medicamento ⸱ Covid-19