Eco ⸱ 4d atrás ⸱ Abrir

Gouveia e Melo ordenou esta sexta-feira a vacinação dos militares das unidades operacionais da Marinha, para diminuir a "incidência, gravidade e transmissão da doença" e evitar quebras nas missões.


O Chefe do Estado-Maior da Armada ordenou esta sexta-feira a vacinação contra a Covid-19 dos militares das unidades operacionais da Marinha, para diminuir a “incidência, gravidade e transmissão da doença” e evitar quebras nas missões.

Num despacho datado de 13 de janeiro, publicado nas Ordens da Armada e disponível no site da Marinha, o recém empossado Chefe do Estado-Maior da Armada (CEMA), almirante Henrique Gouveia e Melo, determina que “todos os militares que integram ou venham a integrar unidades operacionais sejam vacinados contra a Covid-19″.

O despacho prevê que os requisitos de aprontamento sanitário dos militares das unidades operacionais, seguindo as normas das autoridades de saúde, passem a incluir a vacinação contra a Covid-19.

Para Gouveia e Melo, ex-coordenador da task force para a vacinação contra a Covid-19 em Portugal, “reveste-se de primordial importância o cumprimento do plano de Plano de Vacinação da Marinha contra a Covid-19, de modo a que os militares que integram as unidades operacionais estejam aptos para o serviço diminuindo, ao mesmo tempo, a incidência, gravidade e transmissão da doença, evitando quebras operacionais das respetivas unidades”.

“De modo a que as missões da Marinha e da Autoridade Marítima Nacional não fiquem limitadas na sua execução, com prejuízo do interesse nacional, é de fulcral importância assegurar que os elementos das guarnições das unidades navais, de fuzileiros, de mergulhadores e dos helicópteros, estejam permanentemente aptos para o serviço”, determina o despacho.