Rtp ‚łĪ 6d atr√°s ‚łĪ Abrir

A junta militar, no poder em Myanmar, acusou a líder deposta Aung San Suu Kyi de cinco novos crimes, apesar de já ter sido condenada a seis anos de prisão e enfrentar vários processos judiciais.


Os militares acusaram agora a vencedora do Prémio Nobel da Paz, em conjunto com o Presidente deposto Win Myint, de alugar um helicóptero, informaram fontes próximas do caso citadas pela agência espanhola de notícias Efe.

As acusa√ß√Ķes foram apresentadas na tarde de sexta-feira, durante outro julgamento sobre outros alegados crimes de corrup√ß√£o cometidos pela "dama", como √© carinhosamente chamada pelo povo birman√™s a l√≠der de 76 anos.

Em dezembro, o jornal oficial The Global New Light of Myanmar - controlado pelos militares - acusou os dois líderes depostos de violarem as normas financeiras e causar prejuízos económicos ao Estado ao alugar e comprar helicópteros.

A política, que está detida desde as primeiras horas do golpe militar realizado em 01 de fevereiro de 2021, cumpre pena em local desconhecido, e é também acusada de violar a Lei dos Segredos Oficiais, crime punível com uma pena máxima de 14 anos de prisão.

O golpe de Estado mergulhou Myanmar (antiga Birm√Ęnia) numa profunda crise pol√≠tica, social e econ√≥mica e abriu uma espiral de viol√™ncia, com o aparecimento de novas mil√≠cias civis que agravaram a guerra de guerrilhas que o pa√≠s vive h√° d√©cadas.

O Ex√©rcito justifica o golpe com uma alegada fraude nas elei√ß√Ķes gerais de novembro de 2020, cujo resultado foi anulado e em que o partido de Suu Kyi teve, tal como em 2015, uma vit√≥ria avalizada pelos observadores internacionais.

Pelo menos 1.469 pessoas morreram como resultado da brutal repress√£o realizada pela pol√≠cia e militares desde o golpe, sobretudo em manifesta√ß√Ķes em que a pol√≠cia disparar balas reais sobre os manifestantes pac√≠ficos, segundo os relat√≥rios di√°rios da Associa√ß√£o de Assist√™ncia aos Presos Pol√≠ticos, que tamb√©m refere existirem mais de 11.550 opositores ao regime presos, incluindo Suu Kyi.

Na segunda-feira, Suu Kyi tinha sido condenada a mais quatro anos de pris√£o, por, entre outras acusa√ß√Ķes, importar ilegalmente `walkie-talkies`.

A ex-l√≠der de Myanmar tamb√©m tinha sido condenada, em dezembro, a quatro anos de deten√ß√£o por viola√ß√£o das restri√ß√Ķes associadas √† covid-19, pena que foi reduzida para dois anos pelos generais no poder, encontrando-se a cumprir esta primeira pena no local onde foi detida.

Artigos relacionados