NotĂ­cias ao Minuto âž± 1m atrĂĄs âž± Abrir

Milícias ligadas ao Governo apoiado pela ONU no oeste da Líbia (GNA) prenderam um traficante de pessoas acusado de responsabilidade no assassínio de 30 migrantes em 2020, disseram à EFE fontes oficiais. 


De acordo com as mesmas fontes, ligadas às forças de segurança do GNA, o suspeito, cuja identidade não foi revelada, foi interrogado e confessou ter sido um dos autores materiais da morte de 26 cidadãos do Bangladesh e "quatro migrantes subsaarianos".

As fontes admitem ter-se tratado de um ajuste de contas entre milĂ­cias de traficantes de seres humanos em maio do ano passado na localidade de Mezdah, a cerca de 150 quilĂłmetros a sul de Tripoli.

"O suspeito foi encontrado na localidade de Gharryan", explicaram as fontes, sem fornecer mais detalhes, acrescentando, no entanto, que se trata de um "jovem de 23 anos" originĂĄrio daquela zona.

O massacre das 30 pessoas, no ano passado, transformou-se num assunto de grande interesse político e polémica no Bangladesh e acabou por revelar uma rede de migração irregular com vårios tentåculos internacionais.

A pressão sobre o governo do Bangladeshpor parte da população levou à captura de um dos líderes do grupo criminoso, em Daca.

Desde essa altura, o governo do Bangladesh tem pressionado a Líbia a capturar os autores da matança relacionada com o tråfico de cidadãos do país.

Na semana passada, a Guarda Costeira da Líbia intercetou cerca de 200 migrantes que pretendiam cruzar o Mediterrùneo de forma irregular a bordo de embarcaçÔes precårias, tendo sido devolvidos a Tripoli apesar de as NaçÔes Unidas considerarem a Líbia "país não seguro", devido ao permanente estado de guerra.

Desde o início do ano, mais de 3.500 pessoas, entre as quais 187 menores, foram intercetadas no alto mar, ao largo da Líbia pela Guarda Costeira, que estå debaixo da suspeita de vårias organizaçÔes humanitårias por supostas ligaçÔes a redes de tråfico de seres humanos.

Mundo âž± LĂ­bia