Not√≠cias ao Minuto ‚łĪ 2m√™s atr√°s ‚łĪ Abrir

A chefe do Governo escoc√™s, Nicola Sturgeon, rejeitou hoje veementemente as acusa√ß√Ķes do antecessor Alex Salmond de uma conspira√ß√£o contra ele, embora tenha admitido erros no inqu√©rito √†s alega√ß√Ķes de ass√©dio sexual.


"Devo refutar a sugestão absurda de que alguém agiu com malícia ou de que fazia parte de uma conspiração contra Alex Salmond", afirmou hoje, perante a Comissão sobre a administração de queixas de assédio pelo governo escocês.

Porém, também admitiu que um "erro muito grave" foi cometido ao investigar as queixas contra Salmond e que foram prejudicadas duas mulheres e gasto desnecessariamente dinheiro dos contribuintes.

"Embora eu não estivesse ciente do erro na altura, sou a chefe do governo escocês, por isso quero aproveitar esta oportunidade para pedir desculpas às duas mulheres envolvidas e à população em geral", disse.

Ainda assim, acrescentou: "Acredito que agi de maneira adequada e apropriada e que, no geral, fiz a melhor decis√£o que pude".

Sturgeon está a prestar o testemunho numa audição à comissão parlamentar que analisa alegadas irregularidades do sistema governamental de queixas de cariz sexual a Alex Salmond, um processo que já foi definido pela justiça escocesa como "fraudulento e viciado".

Em mar√ßo de 2020, Salmond foi absolvido por um tribunal de 13 crimes sexuais, enquanto o Governo escoc√™s j√° havia sido condenado em 2019 a indemniz√°-lo em 555 mil euros por ter saltado um procedimento legal na investiga√ß√£o interna de duas dessas den√ļncias.

Na semana passada, Alex Salmond acusou a sua sucessora de mentir ao Parlamento e violar as normas de conduta que regem o governo aut√≥nomo da Esc√≥cia (C√≥digo Ministerial) por n√£o ter informado aquando das reuni√Ķes que mantiveram durante a gest√£o das den√ļncias de ass√©dio que duas trabalhadoras haviam apresentado queixas contra si.

Os dois líderes nacionalistas tiveram uma reunião na residência privada de Sturgeon, na qual Salmond expressou a sua preocupação sobre as queixas apresentadas e para pedir sua mediação, disse o ex-primeiro-ministro.

Essa reunião havia sido combinada dias antes entre o chefe de gabinete de Salmond e a própria chefe do SNP.

A presidente nacionalista afirmou, em v√°rias ocasi√Ķes no parlamento, que n√£o tinha conhecimento da situa√ß√£o e que a reuni√£o n√£o foi registada porque era apenas o Partido Nacionalista Escoc√™s, mas n√£o o Governo, e ela n√£o via necessidade disso.

Naquela reuni√£o, de acordo com a vers√£o de Salmond, a sua sucessora mostrou-se pouco familiarizada com o assunto e "estava disposta a cooperar" num processo de media√ß√£o, uma op√ß√£o que n√£o estava contemplada no regulamento "tendencioso e irregular" sobre den√ļncias de ass√©dio sexual.

Leia Também: Escócia: Regras aplicam-se a Trump. "Jogar golfe não é motivo essencial"