Tek ⸱ 12d atrás ⸱ Abrir

As sete entidades, as quais incluem centros de supercomputação em várias províncias chinesas, são acusadas pelo Departamento do Comércio de cooperarem com o exército chinês para destabilizar os esforços de modernização militar e/ou participar em programas de armas de destruição maciça.


O número de organizações na “lista negra” do Departamento do Comércio dos Estados Unidos, da qual a Huawei faz parte desde maio de 2019, continua a crescer e foram agora adicionadas sete entidades chinesas da área da supercomputação.

Em comunicado, o Departamento do Comércio defende que as entidades em questão estão envolvidas no desenvolvimento de supercomputadores usados pelo exército chinês para destabilizar os esforços de modernização militar e/ou participar em programas de armas de destruição maciça.

Da “lista negra” passam então a constar os Centros Nacionais de Supercomputação em Jinan, Shenzhen, Wuxi e Zhengzhou; o High-Performance Integrated Circuit Design Center de Xangai, assim como a Tianjin Phytium Information Technology e a Sunway Microelectronics.

“As capacidades de supercomputação são vitais para o desenvolvimento de muitas, se não todas, as armas modernas e sistemas de segurança nacionais, como armas nucleares e hipersónicas”, afirma Gina Raimondo, Secretária do Comércio dos Estados Unidos, acrescentando que o Departamento vai fazer de tudo para evitar que a China recorra a tecnologias norte-americanas para apoiar esforços de destabilização militar.

Recorde-se que, ao longo de 2020, o último ano de mandato de Donald Trump, a famosa “lista negra” de organizações chinesas impedidas de fazer negócios com os Estados Unidos cresceu a olhos vistos.

Logo em maio desse ano foram adicionadas 33 empresas chinesas acusadas de serem "cúmplices de violações e abusos dos direitos humanos" na China ou de terem interesses de segurança nacional ou de política externa dos Estados Unidos".

A O-Film, uma das principais fornecedoras de módulos táteis para ecrãs e lentes fotográficas da Apple, a Semiconductor Manufacturing International Corporation (SMIC), a maior fabricante chinesa de semicondutores, e até a conhecida fabricante de drones DJI também entraram no “rol” do Departamento do Comércio.

Xiaomi consegue evitar temporariamente entrada na “lista negra” de empresas dos EUA  Ver artigo

O Departamento da Defesa dos Estados Unidos também tem a sua própria “lista negra” de organizações acusadas de terem ligações a exércitos estrangeiros, incluindo os da Rússia e da China. Recentemente, a Xiaomi conseguiu escapar-se temporariamente à entrada na lista, depois de ter sido visada logo no início do ano, numa das últimas ordens executivas de Donald Trump.  Apesar da decisão, o governo de Joe Biden ainda não decidiu o rumo a dar ao caso da Xiaomi.

A vitória comemorada pela Xiaomi está a ser acompanhada de perto pelas restantes empresas chinesas que estão incluídas na mesma “lista negra”, que estão a considerar processar o governo dos Estados Unidos, de modo a suspender, de forma semelhante, o seu estatuto.