Público 13d atrás Abrir

Se a plenitude da democracia é um processo sempre inacabado, a luta por um socialismo democrático numa sociedade mais coesa, justa e equilibrada está ao nosso alcance. Como a pequenina luz bruxuleante – no poema de Jorge de Sena – que perdura e brilha, a utopia de um humanismo universalista é o melhor antídoto da distopia.


Ler a notícia no jornal