Not√≠cias ao Minuto ‚łĪ 3 meses atr√°s ‚łĪ Abrir

Investigadores do Centro Interdisciplinar de Investigação Marinha e Ambiental (CIIMAR) e do Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA) incorporaram num iogurte uma microalga com alto teor de ómega-3 que promete ser uma "alternativa aos recursos piscícolas".


Em declara√ß√Ķes √† ag√™ncia Lusa, a investigadora do centro da Universidade do Porto Narcisa Bandarra explicou hoje que o estudo, publicado na revista Food & Function, surge do reconhecimento do potencial nutricional da microalga 'Aurantiochytrium sp'.

"Tentamos valorizar esta biomassa em diferentes vertentes e pareceu-nos ser uma possibilidade na vertente alimentar, em particular, na produção do iogurte magro", afirmou Narcisa Bandarra, também responsável pela divisão de aquacultura, valorização e bioprospeção do IPMA.

Leia Também: Investigadores usam enzimas mutantes para acelerar degradação de plástico

A obtenção de ácidos gordos do tipo ómega-3, como o acido docosahexaenóico (DHA), na alimentação humana está dependente da inclusão de peixe.

O DHA √© um √°cido gordo bioativo com benef√≠cios para a sa√ļde cardiovascular e neurol√≥gica.

Alimentos ricos em DHA provenientes de fontes alternativas ao peixe representam um benef√≠cio para a sa√ļde, mas tamb√©m um "contributo para a sustentabilidade do planeta".

"Temos de encontrar fontes alternativas porque percebemos que, de facto, alguns recursos piscícolas podem estar comprometidos em termos futuros", referiu a investigadora.

Tendo por base o potencial nutricional da microalga 'Aurantiochytrium sp.', em especial o seu teor em DHA, os investigadores mostraram a viabilidade de um alimento "funcional inovador preparado a partir de iogurte magro".

"Claro que o peixe é a fonte de excelência destes ácidos gordos, mas esta microalga é uma fonte muito rica em gordura, em particular no DHA", disse, acrescentando que esta biomassa atinge 30% de DHA e 60% de teor de gordura.

Os investigadores avaliaram também o valor nutricional deste novo alimento, a que intitularam de iogurte AURA, e determinaram que a digestibilidade e bioacessibilidade dos seus componentes bioativos são substanciais, "apesar de ainda existir clara margem de progressão".

No estudo, os investigadores mostraram ainda que o consumo di√°rio de 125 mililitros (ml) deste iogurte pode "ser recomendado como fonte de uma grande parte dos benef√≠cios de DHA para a sa√ļde humana".

Além do CIIMAR e do IPMA, neste estudo participaram também investigadores da Universidade de Aveiro e do Politécnico de Leiria.

Leia Também: Investigadores japoneses querem criar satélites de madeira

Artigos relacionados