Rtp ⸱ 1y atrás ⸱ Abrir

A edição deste ano do Circular, Festival de Artes Performativas de Vila do Conde, adaptou-se às contingências da pandemia de covid-19, mas vai manter espetáculos com presença de público, apresentando várias estreias absolutas e nacionais.


Os coreógrafos Vera Mantero e Luís Guerra, Miguel Bonneville, o músico Richard Barrett, o Drumming - Grupo de Percussão e o dramaturgo José Maria Vieira Mendes são alguns dos protagonistas do festival.

O certame, que se realiza entre 19 a 26 de setembro, em vários espaços municipais de Vila do Conde, distrito do Porto, terá, segundo a organização, a lotação das salas reduzida para metade e cumprirá todas normas de segurança impostas pela Direção-Geral da Saúde (DGS) aos eventos culturais.

"O Circular será dos primeiros festivais no Norte do país que, podem, de novo realizar-se. Acreditamos que o público vai aderir e com confiança. Serão seguidas todas orientações da DGS, em articulação com a autarquia, e haverá uma alternância nos espaços de apresentação", disse Paulo Vasques, que partilha a direção artística do festival com Dina Magalhães.

O responsável confessou que a programação do Circular já estava agendada antes da pandemia, e que, apesar das contingências, foi possível "manter praticamente todos os espetáculos previstos, através de um diálogo permanente com os artistas".

"A criação artística e a atividade cultural ficaram este ano muito comprometidas, mas queremos reativar esse encontro dos artistas com o público. É algo desafiante, que implicou um diálogo muito estreio para perceber se os espetáculos eram exequíveis com as novas regras", acrescentou Paulo Vasques.

O diretor garante que as apresentações desta edição do Circular "já incluem a questão do distanciamento", evitam a "aproximação do público ao palco" e estão preparadas para "se adaptarem a novas situações que possa surgir".

O festival mantém um programa nacional e internacional nas áreas da dança, música, performance, teatro, e pensamento, contando com estreias absolutas das criações dos coreógrafos Vera Mantero e Luís Guerra, de Miguel Bonneville e no concerto de Richard Barrett, Drumming Grupo de Percussão (João Dias e Miquel Bernat) e Gustavo Costa.

Ainda na área da música, destaque para a apresentação de `synesthesia`, um projeto de criação e composição audiovisual de Angélica Salvi e La Skimal, que junta harpa e vídeo eletroacústicos, e "Noviga Projekto", de Clara Saleiro e Manuel Alcaraz Clemente.

Na área do pensamento, está agendado um seminário orientado por José Maria Vieira Mendes, dirigido ao público em geral, estudantes do ensino superior, nomeadamente de áreas ligadas à dramaturgia, coreografia e outras disciplinas artísticas, programadores, gestores culturais e professores.

Está também agendado o lançamento do quarto número do Jornal Coreia, com direção do coreógrafo João dos Santos Martins.

O preço dos bilhetes para os espetáculos está fixado em cinco euros, e podem ser adquiridos nos equipamentos culturais de Vila do Conde e nas plataformas online.

O Festival Circular, que este ano tem um orçamento de 65 mil euros, conta com o patrocínio da Câmara Municipal de Vila do Conde e é financiado pela Direção-Geral das Artes.