Jornal I ⸱ 12d atrás ⸱ Abrir

De acordo com a Associação Portuguesa de Apoio ao Recluso, a cozinheira deverá ser despedida. 


Uma cozinheira do refeitório do Estabelecimento Prisional (EP) de Alcoentre usou um balde de uma esfregona para preparar os condimentos de uma refeição.

Foram os reclusos que viram a cozinheira a fazer a refeição no balde que era utilizado habitualmente para a limpeza do chão. Quando questionada, a cozinheira disse que tinha “desinfetado o balde com lixívia”, indica a APAR – Associação Portuguesa de Apoio ao Recluso, em comunicado, esta quinta-feira.

Os reclusos negaram-se a comer aquela refeição e pediram a substituição da mesma, pedido que foi recusado. Contudo, pelo menos cem reclusos não comeram a refeição e prometeram repetir o protesto nas próximas refeições.

Segundo a APAR, os reclusos do EP de Alcoentre decidiram enviar um abaixo-assinado ao Diretor-Geral de Reinserção e Serviços Prisionais a denunciar a "situação absolutamente vergonhosa".

Ainda de acordo com a associação, quando o diretor tomou conhecimento do sucedido, o responsável máximo das cadeias nacionais deu ordem à empresa que está encarregue das refeições para despedir aquela cozinheira.

"Perante esta atitude, a APAR, ao lado dos reclusos na sua justa luta e revolta, pede agora, quando a razão lhes foi reconhecida, e perante a atitude firme e rápida da Tutela, que terminem o protesto evitando, assim, um qualquer conflito", escreve a associação no comunicado.